terça-feira, 17 de abril de 2018

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

Raid das Masseiras 2018

Sem palavras ...

Correu como no meu melhor cenário imaginável !!
(Dentro do realista ... tipo, não ganhei :P )

O tempo ajudou, sol em toda a prova, algum fresquinho (5º) mas que até soube bem, muita gente, e uns trilhos bonitos e bem cuidados.

Tudo o que se quer para começar o ano da melhor maneira !



 Em relação à prova, consegui fazer (acho) uma gestão perfeita de esforço, aguentando-me no limiar durante toda a prova.
Tinha planeado tentar puxar mais no final, mas o máximo que consegui foi manter o ritmo, o que é sinal que não fui nem conservador (se tivesse muito para dar no final, é porque tinha ido devagar demais) nem fui demasiado ambicioso (porque não quebrei).

Não caí, fiz a prova toda em cima da bicicleta e sempre a sentir-me (relativamente) confortável.
A suspensão total é a melhor invenção desde a bola de berlim, e pronto !

Nalgumas partes rolantes de paralelos junto ao mar, senti que a malta das rodas grandes (29") e com mais mudanças levavam vantagem, pois conseguiram-me alcançar...
Mas depois de alcançado consegui manter-me com eles, o que até ajudou para me esconder do vento.

Rolei bastante tempo na mudança mais pesada que tinha, a pensar que se tivesse outra podia ter dado jeito ... Mas depois a dor de pernas lembrava-me que não ia mais depressa por causa de falta de pernas e não de mudanças.






Média de 19.8 km/h para um Raid BTT, é algo que me deixa muito contente !!!
(Não fosse ter parado para comer a bola de berlim, conseguia os 20 :P)

Há 2 anos tinha participado nesta prova e tinha feito 17.6 km/h de média, mas tinha um pouco mais de lama (e menos 10kg's), portanto não dá bem para comparar ...
Lembro-me que estava se calhar em melhor forma, mas estourei no final.

Posso ainda não estar ao mesmo nível, mas a cabeça está muito mais forte, o que dá até melhor resultado final.


Agora começa a "operação Montemuro", mas com motivação acrescida pelo bom resultado !

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Hardtail Vs Fully

Ora, aqui está um post "tech nerd geek coiso"...

Domingo vou participar no Raid das Masseiras.

Uma prova BTT maioritariamente plana, sem grande dificuldade técnica, pouca pedra, e terreno relativamente macio (lama e areia talvez ...).

Como tenho à minha disposição uma bicicleta hardtail, e uma suspensão total, ponderei por momentos qual levar à prova ?!?!

Têm um nível de equipamento parecido, ambas a funcionar bem, apenas com pequenas diferenças (para além da suspensão traseira).

1 - A hardtail pesa uns 10kg, a Fully uns 12kgs.
2 - A hardtail está com pneus Maxxis Ardent race/Crossmark2, a Fully Schwalbe Hans Dampf TS/Nobby Nic PS
3 - A hardtail tem mudança da frente, a fully mono-prato.
4 - A Fully tem espigão telescópico (que para esta prova só deve adicionar peso).
5 - A hardtail tem bloqueio automático (Terralogic) na forqueta.

Aqui estão elas.


Em relação à diferença nos pneus, são similares a nível de características :

Frente :
SchwalbeHans Dampf TrailStar44.5 W
MaxxisArdent Race 3C EXO TR35.1 W


Atrás :
SchwalbeNobby Nic TL-E PaceStar25.0 W
MaxxisIkon 3C MaxxSpeed TLR31.5 W
(Não tenho dados para o Crossmark 2 que uso, mas deve ser um pouco mais rápido que o Ikon, e usa a mesma borracha.)

Fonte : https://www.bicyclerollingresistance.com/

Portanto temos no total :
Fully : 70W
HardTail : 66.6W ( ligeiramente menos, visto ser para outro modelo).


Vamos aqui a previsões !
No papel a hardtail é : mais leve, pneus rolam melhor, sem perdas na suspensão (pedal bob), ou seja ...
Num percurso pouco técnico deve ser a melhor escolha e mais rápida, certo ?


Para testar isto, escolhi uma volta com características similares à prova, um pouco de paralelos, uns estradões com um pouco de lama e areia, umas ligeiras subidas e rolante.

Tenho andado nisto, a repetir a mesma volta, alternando as bicicletas, mas as diferenças de piso estavam a fazer muita diferença. Com chuva o piso fica muito pesado, e isso faz mais diferença do que entre a pior e melhor bicicleta do mundo (a menos que tenha motor :P )...

Esta semana o tempo tem estado seco, e as comparações já são possíveis !!!

Bem ... a nível de impressões o que noto ?

A hardtail parece mais rápida !!
Mas obriga a escolher bem a linha, pois a roda de trás a passar por cima mesmo de uma pedra pequena sente-se nos rins ...
Obriga a ter mais atenção, a levantar o rabo mais vezes, e dá mais alguma fadiga de "vibrações".

O facto de ter mudanças à frente, obriga-me também a pensar mais um pouco no que vou fazer para reagir ao terreno ... se mudo só atrás, se tenho que mudar à frente ... se tenho a corrente muito cruzada ou não ...

Numa das voltas mudei à frente demasiado tarde ao entrar numa subida, e tive que desmontar porque a mudança não entrou ...
Com mono-prato nada disso acontece, é só + ou - e siga ...

Contudo, tendo mudanças à frente, tenho mudanças ligeiramente mais leves, e também mais pesadas do que no mono-prato. Ou seja, na parte de rolar, teoricamente posso ir mais depressa.
E como dizia, parece que estamos a andar mais rápido, portanto, deve ser mais rápida !


Em relação à fully ...
Tudo parece mais suave e tranquilo...
Mesmo não escolhendo a linha óptima (ou seja mesmo fazendo asneiras) consigo-me safar melhor de obstáculos.
Mais confortável em todo o tipo de terreno, mais estável, consigo continuar sentado a pedalar "tranquilamente", e as mudanças são mais simples (só atrás).

Parece-me que vou mais devagar ... mas ainda assim acho que a nível de conforto é capaz de compensar ! A menos que seja uma prova super-curta ou se fosse para ganhar ...

Na volta que usei para a derradeira comparação, na Fully tive "azar" com os semáforos e enganei-me ligeiramente no trilho, portanto já estava à espera que fosse mais lenta ... ( Nem que seja por ter parado num semáforo em descida, que com verde se faz a todo o gás).

Ainda assim, ia meio a pensar ... ok ... vai ser mais lento, mas se não for MUITO, acho que levo esta à mesma !

*nota : As voltas na fully são feitas com as suspensões ABERTAS, completamente tudo a funcionar, não uso nada de bloqueios e afins... se há suspensão é para aproveitar !

Apresentadas as expectativas e sensações ao longo das voltas, vamos a resultados.
Escolhi uma volta para cada uma das bicicletas, em que o meu esforço foi bastante parecido ( 720kcal vs 731 kcal), temperatura parecida, as condições do piso estavam quase idênticas, apenas o "azar" com os semáforos para a fully numa parte em que atravessava uma rua.

HardTail :

Fully :



E esta hein ???

A Fully foi MAIS RÁPIDA !!! E seria ainda mais, descontando o tempo do semáforo ...
Parece que mais suave é mesmo mais rápido !!

Confesso que a hardtail me dava MESMO a ideia de que ia mais rápido, mas agora depois de ver os resultados penso ... no Fiat 127 a 80 km/h também me parecia que ia bem mais rápido do que no carro actual a 140 km/h.

Olhando para os Olimpicos, dá para perceber porque quase todos usam suspensão total, e não é só pelo aumento de dificuldade técnica das provas de XCO.
Se juntarmos a isto o muito maior conforto, menor cansaço de braços/costas/etc, maior tracção em subidas (e todo o lado), maior segurança, não sobram dúvidas !
E se eu sinto isto com bicicletas de 2000 e pouco, nas mais recentes, com os avanços de tudo feitos nas suspensões e eficiência... a diferença deve ser ainda mais ABISMAL.

Consigo imaginar agora alguns cenários em que a hardtail leve vantagem (além de ser mais barata) ...
Se eu fosse leve, e num percurso com subidas muito grandes, os +2Kg's deveriam fazer alguma diferença !
(Mas imaginando que esse mesmo percurso teria também descidas grandes... continuava a preferir a Fully).
A Hardtail é boa para treinar ... Confesso que foi nas voltas com a hardtail que fui aprendendo quais as melhores trajectórias a seguir !

Para o caso, fiquei sem dúvidas nenhumas de qual vai para os trilhos no domingo !!

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Meia Maratona de Famalicão 2017

Aqui está o culminar de dois meses de treino para voltar a dar umas corridinhas !!!

8  Out - Fernanda Ribeiro    - 10k    - 1:05 - 165bpm - 6:35 min/km
5  Nov - Family Race         - 15k    - 1:31 - 159bpm - 6:04 min/km26 Nov - MM Famalicão        - 21.1k  - 2:04 - 161bpm - 5:51 min/km

Progresso em duas frentes !!! Aumento de distância e de velocidade !

A Meia-Maratona de Famalicão é uma prova com bastante subida, pelo que é importante fazer uma boa gestão de esforço para se fazer a prova confortavelmente e no melhor resultado possível.

A estratégia para a meia-maratona é relativamente simples, esforço quase constante do principio ao fim, ou até idealmente um aumento de 3% na segunda metade da prova.

Em plano isto é mais fácil de fazer, assumindo que o esforço está directamente ligado à velocidade, quando há subidas e descidas obriga a medir de outra maneira o esforço.

No meu caso, que corro por potência, basta-me manter-me dentro de uma zona de potência e já está !
Manter a mesma potência quer dizer que nas subidas vou abrandar, e nas descidas acelarar, mas o esforço é constante.
Actualmente, a potência na corrida é uma estimativa, e não uma medição (como no ciclismo) portanto, tem as suas limitações que obriga a ter em conta, mas ainda assim facilita bastante a tarefa de dosear esforço.

Coisas a ter em conta : 
1 - O vento não aparece, portanto, se houver um vento forte de frente, na realidade vamos em mais esforço do que o indicado, aqui temos que usar as sensações.
2 - Nem sempre é possível atingir a potência que queremos na descida, pois não conseguimos aumentar indefinidamente a velocidade. 
A descer o impacto nos pés/joelhos/pernas é maior...

E é basicamente isto, o resto apanha-se facilmente ao fim de uns treinos a ver números a aparecer e a associar sensações e o que acontece quando se vai acima ou abaixo de determinados valores.

Resultado ? 
Terminar uma meia-maratona confortavelmente no menor tempo possível feliz e contente da vida !



Até vou de olhos fechados nem sei bem porquê, mas acho que a culpa é do fotógrafo.



terça-feira, 14 de novembro de 2017

Trail Terras do Lidador 2017

Continua a minha preparação de corrida para a Meia-Maratona de Famalicão.

Desta vez usei um trail à porta de casa como treino de domingo ( e assim fazia um trailzinho que já não ia há muito tempo).

Andei durante a semana a fazer uns treinos pela zona, e até estava confiante que ia sobreviver à prova.

No entanto, o percurso da prova, designado como "trail de laboratório" não foi muito do meu agrado ...
Gostos são gostos, mas não sou muito fã de trails demasiado técnicos, nem de percursos completamente construídos quando há um caminho existente ao lado.
Compreendo que assim seja mais díficil, e que possa ter paredes e coisas para trepar para depois descer, mas não fico cliente.
Estava com apetite para uma coisa mais "constante", mas de qualquer maneira sobrevivi, deu para matar saudades e ficar satisfeitinho de trails durante mais uns tempos.

No entanto, os treinos que fiz pela zona acho que são para repetir ! Gostei bastante dos trilhos do Serra Trail !!! :D

 Para um trail tão curto, tinha era fotógrafos com fartura !!!

Aqui ficam algumas fotos do percurso, até nas partes que mais gostei ! Aqui ainda era "corrível".





E chegamos ... Satisfeitinho, tão cedo não volto :P

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Family Race 2017

Mais uma corrida !

Inicialmente estava inscrito na Maratona (promoção de Natal), mas não estando em condições de ir, preferi mudar a inscrição para a Family, terminar, divertir-me, usar como treino para melhor ao invés de não aparecer ou de ir "estragar" a tentar a Maratona.

Por vezes temos que dar 1 passo atrás para depois dar 2 ou 3 para a frente.

E o que dizer da Family Race ?
Bestial !!!

O percurso não é tão bonito como o da Maratona, até acho que apanha apenas a pior parte, mas o mar de gente era tanto que quase não se via percurso !
Foi do início ao fim envolto numa onda gigante de corredores !

A mesma gestão de esforço desde início, por vezes facilitada por não conseguir acelarar nem que quisesse tal era o algomerado de corredores.

Na subida final da avenida da boavista senti-me bem, e consegui manter o esforço, fazendo a tal corrida "de trás para a frente" com a segunda metade mais rápida que a primeira.

Foi a maior distância do ano, e foi também onde fiz os 10k mais rápidos, e mais importante foi onde me senti melhor !

Foi uma diferença enorme de como me senti na Corrida Fernanda Ribeiro !
Parece que aquela coisa estranha de treinar funciona !

Acho que o bichinho da corrida está a voltar a pegar, estar no meio da multidão trouxe-me alguma nostalgia e vontade de repetir !


Venha a próxima !

domingo, 22 de outubro de 2017

PortoGranfondo

O último da série Bikeservice !

Desta vez tinha de ser o Grande, para acabar em beleza (e ganhar o pólo do circuito).


A voltinha era esta :

Bem ... o que dizer sobre isto ? Nem sei bem por onde começar ...

Tenho a dizer que o percurso me surpreendeu por vários motivos.
Apesar do inicio ser muito "urbano", como rolavamos em pelotão fez com que fosse suportável (ao contrário do que aconteceu ano passado, já com muito trânsito à mistura).

Chegando à zona de estradas de montanha, havia um misto de paisagens bonitas com imagens desoladoras do flagelo dos incêndios recentes. Uma das imagens que me fica na memória são os mecos de aluminio de marcação da estrada estarem completamente dobrados e derretidos como esparguete ! A juntar ao ainda intenso cheiro a queimado...

A nível de organização e prova, esteve tudo impecável, bons abastecimentos, percurso bem marcado, tudo o que se pode querer (pelo menos do que precisei).

Em relação à minha participação, fui com muitas cautelas para esta prova.
Ouvi boatos que era muito dura, e que apesar da distância ser mais curta do que o habitual, que não devia menosprezar este Granfondo.

Pela minha análise, a prova ia ser boa para mim, não estava calor em demasia, não havia nenhuma "parede" ou parte muito inclinada, pelo que conseguiria dosear o esforço à minha maneira.

E assim fiz desde início, algum cuidado para não passar do limiar, manter as pernas sempre em movimento, ter atenção à cadência, tinha um alarme para me alimentar e lá vamos nós ! O objectivo era chegar bem aos km's finais para conseguir manter a potência no plano.

Consegui cumprir com o plano relativamente bem.
Quebrei um pouco na subida do Pejão, estava com desconforto nas costas, e depois fui com calma na descida para não forçar muito.
Depois de algum tempo lá fui melhorando, aproveitava na descidas leves para me esticar e as costas foram quase ao sítio.
Na subida da "Capela" estava um pouco abaixo do plano, mas estava a subir confortável (enquanto conversava e comia os lanches mistos que me enchiam os bolsos desde o abastecimento) e isso era o mais importante.

A subida final contava com uma rampa "surpresa", mas nada de especial, consegui fazer sentado e sem por o pé no chão.

Na parte final, algum vento de frente mas consegui aproveitar bem e recuperar tempo !
Sentia-me bem a rolar e aproveitei o mais que pude. Infelizmente não consegui apanhar nenhuma "roda", pois quando eu alcançava outros atletas a diferença de ritmos era tão grande, que passava directo...
Mas ainda assim ajudavam-me tipo "cenoura", pois cada vez que eu via uma camisola ao longe, só pensava em aproximar-me.

Com isto, rapidamente chegou a recta da meta ! E aquela sensação de estar todo partido mas feliz :D



Sinto que, óbviamente, não estou no meu melhor, mas sinto-me a progredir e a aprender a treinar e a gerir o esforço em prova cada vez melhor.

O que me deixa muito animado e motivado para continuar nestas "aventuras", e penso que até basta ter uma forma igual ou parecida à do passado recente para fazer bem melhor, e principalmente disfrutar muito mais das provas (e do dia seguinte) !

O melhor está para vir ! :D